Gerenciamento de dados: quais erros você não está vendo por falta de tempo

Gerenciamento de dados quais erros seu cliente não está vendo por falta de tempo (e como ajudá-lo)

A rotina cheia de um departamento de recursos humanos, muitas vezes, impede que um bom gerenciamento de dados em saúde ocupacional aconteça e, consequentemente, a gestão dessa área fique aquém do que poderia.

Esse cenário, evidentemente, é ruim – para não dizer péssimo. Mas, como tudo, pode trazer algo de bom. Sim, porque abre um espaço para crescimento e melhorias, a partir do momento em que algumas medidas sejam implantadas.

Existem algumas pegadinhas nesse sentido. Pequenos detalhes que, às vezes, passam despercebidos, mas fazem diferença no contexto de um planejamento mais amplo.

Você sabe onde tem de estar a sua atenção?

Você consegue resolver isso sozinho? Ou, então, que tal ter ajuda na hora de gerir esse setor da sua empresa?

O assunto é amplo e vem sendo discutido neste blog há tempos (aliás, deixaremos alguns links no fim deste texto), mas dá para começar a colocar a casa em ordem prestando atenção em alguns pontos.

Que tal falar um pouco sobre alguns deles? 😉

 

Gerenciamento de dados passa por perfil de saúde

Guias, folhas de pagamentos, problemas com turnover, contratações, questões com o INSS…

Dificilmente, sobra tempo para obter e analisar informações importantes, como os dados clínicos dos colaboradores. Tais dados podem fornecer a história clínica, medicamentosa, os hábitos de vida, a prática de atividades físicas, as relações sociais e psicológicas dos indivíduos.

Ou seja, podem definir o perfil de saúde dos colaboradores. Deu para perceber como o gerenciamento de dados, neste caso, é essencial? Nem é preciso repetir a importância de ter isso tudo organizado e analisado do que simplesmente jogado em papeis em cima da mesa ou pastas no desktop do computador, certo?

Afinal de contas, com tudo isso mapeado e organizado, dá ou não dá para tomar algumas decisões? Tipo:

  • Perceber quais motivos têm afastado mais colaboradores
  • Alinhar se esses motivos estão ligados a doenças ou acidentes de origem ocupacional
  • Mapear se medidas de prevenção, muitas vezes pré-estabelecidas, estão sendo cumpridas
  • Estudar campanhas de conscientização para alertar e educar a população da sua empresa
  • Fornecer conteúdo individualizado para prevenção ou tratamento de doenças, acidentes, condições físicas…

Essas, na verdade, são apenas algumas das atitudes que podem ser tomadas.

O mais importante, aqui, é captar o conceito: com informações nas mãos, e gerenciamento de dados bem feito, é possível identificar causas de qualquer problema. E, a partir daí, trabalhar em nas soluções.

Pode-se saber como os funcionários utilizam os serviços médicos, quais são as principais demandas em saúde, quais problemas afastam os trabalhadores dos postos e muito mais. Conhecer o perfil de saúde dos colaboradores é fundamental para traçar estratégias em saúde ocupacional. E que deem resultado, claro.

 

Alinhamento entre gerenciamento de dados e as estratégias

Esse é um erro bem comum. Uma pesquisa recente da Associação Brasileira de Qualidade de Vida (ABQV), por exemplo, revelou que a maioria das empresas brasileiras afirma ter programas de incentivo à prática de esporte, mas que 70% dos empregados são sedentários.

O que isso mostra? A falta de conhecimento do perfil dos colaboradores e a falta de eficiência do programa de bem-estar escolhido.

Se você não tem tempo para alinhar essas coisas, isso, claro, se transforma em um desafio ingrato. Será que não é a  hora de contratar uma empresa que faça esse gerenciamento de dados para você e, melhor, ajude a traçar estratégias para transformar essa informação em ouro?

Você pode saber qual é o perfil de saúde dos seus funcionários e oferecer soluções que reduzam, por exemplo, os custos com o plano de saúde. Ou você pode propor programas de bem-estar e qualidade de vida adequados e personalizados às necessidades deles. Assim, a coisa fica diferenciada e resolutiva.

 

E o levantamento de indicadores de produtividade?

Produtividade é algo que toda empresa deseja, mas que nem sempre consegue. A maioria dos gestores não enxerga os “sabotadores da produtividade” e, para o RH, a saúde fragilizada dos colaboradores é um deles. Trabalhadores doentes produzem menos, se afastam mais dos postos de trabalho e perdem criatividade, motivação e desempenho no dia a dia. Uma matéria da revista “Exame”, da Editora Abril, falou sobre isso e pode ser vista clicando aqui.

Analise e conheça os indicadores de produtividade, como, por exemplo, causas de afastamento, percentual e tipo de acidentes de trabalho, riscos ambientais e nível de satisfação com o ambiente de trabalho.

Faça um diagnóstico e proponha soluções que aumentem a produtividade, reduzam custos com absenteísmo e, consequentemente, aumentem a rentabilidade do negócio. Agindo assim, você vai demonstrar autoridade em saúde ocupacional e vai ser protagonista para bons resultados da sua empresa.

Deu para perceber que somente com uma gestão eficiente, que passa por um gerenciamento de dados adequado, é possível ter a saúde ocupacional funcionando de maneira inteligente e efetiva?

Não é fácil nem simples, mas você pode trabalhar em cima disso. Principalmente, na hora de colocar em prática as ações que os números colhidos por esse gerenciamento de dados trazem. Todos sabemos que, muitas vezes, o primeiro passo é o mais longo, mas que, depois ele, dá para percorrer grandes distâncias.

Mas, também, dá para ter ajuda com isso, como dito. E, aqui, a RH Health pode fazer a diferença. Quer saber um pouco mais sobre a empresa?

 

A RH Health pode te ajudar!

RH Health é uma empresa de gestão de saúde ocupacional e, assim, pode te ajudar a implementar um plano adequado para a realidade da sua empresa. Nós nos orgulhamos de dizer que gostamos muito dos conceitos que se aplicam à nova saúde ocupacional.

Mas o que é isso? Bom, fizemos um texto bem detalhado sobre o assunto, e você tem acesso a ele clicando aqui.

Adoramos tecnologia, investimos nela e fazemos de tudo para disponibilizar para você o que há de melhor. Na RH Health, certamente, o conceito de empoderar o cliente está na cabeça de todos da equipe.

Até porque você vai perceber que, depois de tudo em ordem, vai ser muito melhor para a rotina da sua empresa, pois estará sempre em dia com as obrigações.

Podemos auxiliar nesse processo, principalmente, porque:

  • Temos todo o know-how na área, com mais de 100 mil vidas atendidas
  • Focamos na qualidade do serviço que prestamos e, principalmente, no atendimento, o que consideramos ser um dos nossos diferenciais
  • Temos um sistema desenvolvido por nós mesmos, o IT.Health, totalmente parametrizado para o eSocial, que vai permitir que você tenha um controle pleno sobre esse setor da sua empresa (quer receber uma demonstração dele? Basta clicar neste link)
  • Temos uma equipe treinada e em constante atualização a sua disposição
  • Sabemos exatamente quais são os seus problemas e, assim, o que fazer para resolvê-los
  • Contamos com mais de 1,8 mil clínicas credenciadas espalhadas pelo Brasil para atender a qualquer demanda
  • E, principalmente, porque o nosso objetivo, afinal, é um só: cuidar da saúde das pessoas

Que tal, então, bater um papinho com a gente?

 

Leia mais:

Reduzir custos na saúde ocupacional: entenda como fazer isso
https://www.rhhealth.com.br/como-reduzir-custos-na-saude-ocupacional/

Prevenção e predição: aliadas poderosas das empresas
https://www.rhhealth.com.br/prevencao-e-predicao-saude-ocupacional/

Por que vale a pena investir na gestão de saúde ocupacional
https://www.rhhealth.com.br/saude-ocupacional-investir-gestao/

Mapeamento de riscos: dicas para tomar as melhores decisões
https://www.rhhealth.com.br/mapeamento-de-riscos-decisoes/