Gestão de absenteísmo: como ter os melhores resultados pensando nisso

Gestão de absenteísmo: como ter os melhores resultados pensando nisso

É muito comum que, no dia a dia, o gestor de recursos humanos enfrente os seguintes desafios: colaboradores ausentes, doentes, atrasados, afastados… Ou seja, que enfrente o absenteísmo e suas consequências. Diante de um problema tão sério e tão recorrente dentro da realidade corporativa, o gestor precisa de soluções práticas para lidar de maneira efetiva com isso e, de fato, colher resultados: gestão de absenteísmo é fundamental.

Mas como fazer isso? Como fazer uma gestão de absenteísmo boa que dê resultados práticos na sua empreasa – o que, de fato, é importante?

Que ferramentas usar?

Quais são as medidas preventivas?

Que dados e métricas podem ser adotados para, afinal, gerir bem o excesso de faltas?

 

Primeiramente, o que é gestão de absenteísmo?

O absenteísmo é um termo usado para designar ausência dos colaboradores no trabalho, por falta ou atraso. Como os gestores já sabem, o absenteísmo impacta diretamente na produtividade e é um dos principais responsáveis por elevação dos custos na área de gestão de pessoas.

A gestão de absenteísmo é uma prática que visa minimizar o excesso de faltas, atrasos e outros problemas que envolvam a ausência de um colaborador e suas consequências.

Como fazer essa gestão?

Para uma boa gestão, é preciso seguir algumas etapas:

1 – Avaliação inicial

É muito importante diagnosticar os principais motivos que levam os colaboradores a se ausentar (ou mesmo se atrasar para iniciar o trabalho).

Além disso, é essencial compreender qual é o índice de absenteísmo e qual o impacto financeiro e de produtividade.

    • Problemas de saúde, como gripe, estresse, LER, dores musculares…
    • Desalinhamento com a proposta e os objetivos da empresa.
    • Clima organizacional desfavorável.
    • Falta de entrosamento com líderes ou lideranças abusivas.
    • Cansaço.
    • Excesso de cobrança.
    • Acúmulos de tarefas.
    • Desentendimento com colegas de trabalho.
    • Falta de infraestrutura e de equipamentos.
    • Insatisfação com salários.
    • Falta de benefícios, como planos de saúde, programas de qualidade de vida, vale alimentação…
    • Falta de plano de carreira.
  •  

2 – Gestão dos afastamentos

A gestão dos afastamentos também faz parte da dinâmica da gestão de absenteísmo. É importante compreender os motivos que mais afastam efetivamente os trabalhadores para atuar em cima de cada principal causa, evitando que novos afastamentos aconteçam.

3. Gestão de acidentes de trabalho

Os acidentes de trabalho também fazem parte dos motivos que levam a faltas e afastamentos. Portanto, uma gestão dos acidentes também faz parte da gestão de absenteísmo.

Você, gestor, precisa estar consciente desse cenário, para implementar soluções em saúde ocupacional que reduzam os acidentes de trabalho e, consequentemente, reduzam também o índice de afastamentos e os custos decorrentes.

Ferramentas, medidas preventivas, dados e métricas para a gestão do absenteísmo

Para ajudar a fazer uma análise bem feita, é importante que alguns dados sejam coletados.

    • Da operadora de saúde, para serem utilizados como indicadores de riscos.
    • O sistema de folha ou carga mensal para identificar os impactos na lucratividade.
    • Dados das causas de adoecimento mundial, o que permite planejar ações de prevenção de saúde e qualidade de vida direcionadas e individualizadas conforme os colaboradores da sua empresa. 

Além disso, que tal fazer um cruzamento dos seguintes indicadores de saúde:

    • Fatores de risco identificados com base no protocolo de atendimento.
    • Medicação em uso.
    • CID dos atestados e sinistralidade do plano de saúde: para identificar se algum problema que acontece com um colaborador é um caso isolado ou algo que acomete parte dos funcionários. Isso vai ajudar a aumentar a assertividade das ações de saúde ocupacional.
    • Avaliar a emissão de atestados médicos.
    • Cruzar dados sobre endereços: residencial, da unidade de lotação e do local de atendimento médico, com o objetivo de identificar situações que merecem ser investigadas. 

Com esses dados levantados, então, é possível identificar o nexo causal (NTEP), adotar uma tomada de decisão precoce e assertiva para gerir bem o absenteísmo e colher resultados, como diminuição dos impacto financeiro e aumento de produtividade.

Tecnologia é mais do que fundamental

Okey, muita coisa dita acima parece bom, certo?

Claro que sim! Não apenas parece, como é. Se, pelo menos, parte do que foi citado for mapeado e controlado, não tem erro: a gestão de absenteísmo da sua empresa caminha por um lado favorável.

Mas saiba de uma coisa: não tem como fazer tudo isso manualmente.

Afinal de contas, se a tecnologia está aí, por que não utilizá-la? 

Porque pode ter certeza de uma coisa: a chave para conseguir ter sucesso nisso e controlar esses índices passa por aí.

É muito importante ter um sistema que compile esses dados e gere gráficos que, certamente, vão te apontar as coisas que você precisa ver.

Aliás, quem não tem um gestor que adora analisar relatórios numéricos e estatísticos para, assim, poder tomar decisões mais assertivas?

Pode apostar: aplicativos e programas tradicionais sempre são úteis, mas, mais importante do que isso, é encontrar um sistema que tenha sido desenvolvido para TOMAR DECISÕES para as pessoas. Não basta ser apenas um armazenador de dados.

Entenda por “tomar decisões” como:

  • Apontar padrões, como, por exemplo, doenças que mais afastam colaboradores do dia a dia.
  • Mostrar possíveis campos que tenham fraudes, como atestados médicos que não condizem com os problemas relatados.
  • Sugestões inteligentes, como onde mandar funcionários para a realização de exames de acordo com o local onde trabalham ou onde moram.
  • Avisos essenciais, como quando um exame médico vai vencer.

Mais uma vez: manualmente, a chance de isso dar errado é muito grande. A solução é deixar que a tecnologia tome conta disso.

A RH Health pode te ajudar!

RH Health é uma empresa de gestão de saúde ocupacional e, assim, pode te ajudar a implementar um plano adequado para a realidade da sua empresa. Nós nos orgulhamos de dizer que gostamos muito dos conceitos que se aplicam à nova saúde ocupacional.

Mas o que é isso? Bom, fizemos um texto bem detalhado sobre o assunto, e você tem acesso a ele clicando aqui.

Adoramos tecnologia, investimos nela e fazemos de tudo para disponibilizar para você o que há de melhor. Na RH Health, certamente, o conceito de empoderar o cliente está na cabeça de todos da equipe.

Até porque você vai perceber que, depois de tudo em ordem, vai ser muito melhor para a rotina da sua empresa, pois estará sempre em dia com as obrigações.

Podemos auxiliar nesse processo, principalmente, porque:

  • Temos todo o know-how na área, com mais de 100 mil vidas atendidas
  • Focamos na qualidade do serviço que prestamos e, principalmente, no atendimento, o que consideramos ser um dos nossos diferenciais
  • Temos um sistema desenvolvido por nós mesmos, o IT.Health, totalmente parametrizado para o eSocial, que vai permitir que você tenha um controle pleno sobre esse setor da sua empresa (quer receber uma demonstração dele? Basta clicar neste link)
  • Temos uma equipe treinada e em constante atualização a sua disposição
  • Sabemos exatamente quais são os seus problemas e, assim, o que fazer para resolvê-los
  • Contamos com mais de 1,8 mil clínicas credenciadas espalhadas pelo Brasil para atender a qualquer demanda
  • E, principalmente, porque o nosso objetivo, afinal, é um só: cuidar da saúde das pessoas

Que tal, então, bater um papinho com a gente para começarmos, juntos, a fazer uma gestão de absenteísmo como a sua empresa merece? 😉

LEIA TAMBÉM:

Análise do impacto do absenteísmo nas empresas, na visão de uma médica do trabalho e bacharel em Direito